Catarata

O que é?

Catarata é uma turvação que se desenvolve no cristalino, a lente transparente que temos dentro do olho.

 

Não é uma doença, nem uma película, nem um tumor, é simplesmente uma mudança que acontece em uma parte do olho. Consiste na opacidade parcial ou total do cristalino ou de sua cápsula.

Cataratas podem se desenvolver em qualquer período da vida, mas ocorrem com mais frequência em pessoas acima de 60 anos. Na maioria das vezes a catarata se desenvolve como parte normal do processo de envelhecimento que ocorre no cristalino e assim é chamada de catarata senil.

 

Catarata não é transmitida de um olho para o outro, mas geralmente desenvolve-se em ambos os olhos ao mesmo tempo. Algumas cataratas ficam maduras lentamente enquanto outras se desenvolvem em alguns meses.

Sintomas

Algumas vezes um trauma no olho pode causar catarata. Alguns olhos que sofreram pressão forte (como um soco) ou trauma perfurante podem desenvolver catarata. Há uma reação do cristalino ao trauma ocorrido.

 

Além do trauma, outros fatores podem causar catarata mais precocemente. O uso de algumas medicações, principalmente os corticoides, algumas doenças oculares (por exemplo, uveítes) e algumas doenças como o diabetes. Alguns bebês também podem nascer com catarata congênita.

A formação da catarata apresenta sintomas diversos como:

  • Imagens embaçadas e distorcidas

  • Perda gradual das cores

  • Necessidade de mais luz para enxergar

  • Percepção de pontos negros ou sombras ao enxergar

  • Visão dupla mesmo quando um olho é fechado

  • Melhora da visão para perto sem os óculos

  • Anéis coloridos em volta de objetos brilhantes

Os sintomas variam entre as pessoas. A maioria das pessoas que desenvolvem catarata apresentam alguns desses sintomas, mas não necessariamente esses sintomas são de catarata e podem ter diferentes causas.

 

Se você está apresentando algum desses sintomas, deve ser submetido a um exame oftalmológico completo.

Tratamento

O tratamento da catarata é cirúrgico e nenhum colírio têm eficácia comprovada para prevenção ou tratamento. A hora certa para a realização da cirurgia é decidida pelo paciente e pelo seu oftalmologista. 

 

A cirurgia de catarata, na maioria dos casos, é feita apenas com colírios e uma sedação leve, sem injeção, exceto se o paciente tiver alguma contraindicação de saúde que necessite outro tipo de anestesia.

A técnica atual é a cirurgia combinada com laser/ultrassom e facoemulsificação. 

É feita uma incisão menor que 3 mm e é inserida uma espécie de cânula ligada a um equipamento ultra-sônico que aspira a catarata. Em seguida, é implantada uma lente intraocular através da micro-incisão.

Em todo o procedimento o paciente fica deitado e é utilizado um microscópio para a visualização da cirurgia.

Após a cirurgia de catarata, o olho operado terá um curativo que pode ser feito com gaze, tampão de acrílico ou óculos escuros, dependendo da técnica utilizada. Serão receitados colírios por um período.

Por ser feito com uma técnica segura, a cirurgia de catarata pode ser realizada em centros especializados, não necessitando de internação. O paciente tem alta logo após o procedimento, podendo voltar para sua casa.

Anestesia
​Tópica
Catarata triturada e aspirada
Implante da lente intra ocular
Implante da lente intra ocular

Lentes intra oculares (LIOs)

Atualmente existem diversos tipos de LIO. A escolha da LIO deve ser realizada em conjunto pelo médico e o paciente, após a realização de diversos exames e também de uma análise da expectativa e das necessidades de cada paciente.

 

Esses exames vão determinar o grau, diâmetro, modelo, espessura, características da borda, local ideal do implante, etc. da LIO.

É importante que a lente tenha uma boa procedência, assim como seja manipulada em condições adequadas do fabricante ao hospital/clínica/médico responsável. Por isso o Conselho Federal de Medicina e a ANVISA não recomendam que as LIOs sejam manipuladas por convênios, óticas, ou pelo próprio paciente, pois pode haver uma contaminação. E essa levaria a perda da lente ou pior, provocar uma infecção.

Podemos dividir as LIOs em alguns grupos principais:

  • Lentes monofocais (de micro incisão): são LIOs que tem apenas um foco, seja para longe, para perto ou distância intermediária. Neste caso após a cirurgia é necessário na grande maioria dos casos o uso de óculos

  • Lentes monofocais tóricas (de micro incisão): são LIOs que tem apenas um foco, para longe, para perto e distância intermediária, porém possuem a capacidade de corrigir um astigmatismo (irregularidade na córnea) pré-existente. A sua utilização também não elimina a necessidade do uso de óculos após a cirurgia

  • Lentes multifocais: são lentes que possuem mais de um foco, oferecendo a possibilidade de uma correção de grau para longe, intermediário e perto. É importante lembrar que a independência total dos óculos nem sempre é obtida devido a fatores como a neuro adaptação ou alterações oculares (edema de mácula, problemas de cicatrização e outros)

  • Lentes multifocais tóricas: são lentes utilizadas para correção da visão de longe, intermediária, e perto, que possuem também a capacidade de corrigir o astigmatismo pré-existente. A independência total dos óculos nem sempre é obtida devido a fatores como a neuro adaptação ou alterações oculares (edema de mácula, problemas de cicatrização e outros)

  • Lentes acomodativas: são novos modelos de LIOs, que através de um desenho inovador “imitam” o movimento natural do cristalino jovem auxiliando na visão de longe, intermediária e perto. Também requer um período de adaptação, podendo sofrer influência de outros problemas oculares

Faça o agendamento online. É fácil, rápido e seguro.

©  Clínica de Olhos Benchimol. Todos os direitos reservados.                         Criado por Contenuti

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone LinkedIn