Buscar
  • Sergio Benchimol

Análise de imagem da retina promete auxiliar no diagnóstico precoce do Alzheimer

Uma análise de como a retina do olho dispersa a luz mostra-se promissora como um auxílio para o diagnóstico precoce da doença de Alzheimer.

A doença de Alzheimer é responsável por 60 a 80% dos casos de demência, uma condição incurável que prejudica progressivamente a memória e o pensamento, a ponto de não ser mais possível viver de forma independente.

A presença de aglomerados tóxicos de proteína beta-amilóide no cérebro é uma marca registrada da doença de Alzheimer.

Se houvesse uma maneira de detectar os grupos tóxicos de beta-amilóide nos estágios iniciais, isso poderia melhorar muito o diagnóstico precoce e aumentar o potencial de tratamento para retardar a progressão da doença.

Como a retina é uma extensão do cérebro, é possível que esses grupos de proteínas tóxicas também se formem lá.

Esse conhecimento levou os cientistas a procurar os biomarcadores de Alzheimer na retina, o que é fácil de examinar de forma não invasiva.

Cientistas da Universidade de Minnesota, em Minneapolis, chegaram a essa conclusão após realizar um estudo recente, cujas descobertas aparecem na ACS Chemical Neuroscience.

Os pesquisadores investigaram a imagem hiperespectral da retina (HSI) como uma técnica potencial para a detecção precoce da doença de Alzheimer em 35 pessoas.

O HSI é um método de imagem emergente na medicina. Como auxílio ao diagnóstico, ele pode fornecer informações valiosas sobre a composição e estrutura dos tecidos.

Os cientistas podem fazer varreduras HSI da retina usando uma câmera especial conectada a um sistema de imagem espectral.

O método, que leva cerca de 10 minutos para administrar, não é invasivo e não requer a injeção de substâncias traçadoras.


Fonte: Revista Universo Visual




0 visualização

©  Clínica de Olhos Benchimol. Todos os direitos reservados.                         Criado por Contenuti

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone LinkedIn